25.7.07

acompanhados pelo espaço


Sandra Poirotte

Ainda que muitas vezes pareça, é raro caminharmos sozinhos.

6 comentários:

graça martins disse...

...de facto!
cheguei aqui sózinha e senti-me a pertencer a essa caminhada.

Um blog cheio de inspiração. Parabéns.
Graça Martins

Abbie disse...

Tantas vezes parece.

eyes shut disse...

também sinto assim.

Dalaila disse...

Os que se foram

Pouco a pouco vou compreendendo esta verdade tão
simples:
Agora é que realmente existem
os que se foram.
Só agora é que todos eles se movimentam
livres, imensamente livres.
Só agora é que falam
o que sempre calaram e era precisamente o que me
levaria
à única verdade que traziam.
Saem de velhos retratos, ou de ressuscitadas palavras
soltas,
e caminham comigo que os não sabia tão transparentes
e comunicativos
tão lógicos,
tão completos.
Completos e definitivos

(Emílio Moura 1902-1971)

Cometa 2000 disse...

graça martins, benvinda. benvinda.

abbie e eyes shut, demasiadas vezes. não?

dalaila, bonito poema. não o havia pensado ("Agora é que realmente existem os que se foram") quando escrevi a frase mas, faz-me todo o sentido.
..............obrigado

menina tóxica disse...

e ainda bem. seria uma grande seca.

ás vezes parece, mas só porque nos cegamos um bocadinho.

(aparece sempre alguém para nos abrir os olhos)

:)