18.1.08

Espaço sobre a arte de ser felino.


?

Pensou então
no outro

De como serviriam no seu pêlo rente,
no seu olhar de trespassar prisões,
de rasgar barras,
ou na sua cabeça tão perfeita,
de orelhas muito breves,
mas capazes
de ouvir a mais fugaz
das mais serpentes
- como lhe serviriam
essas asas

Voar pelo céu todo
e ser mais que
feliz

Ana Luísa Amaral

Sempre me questiono:
porquê?

Sempre me questiono:
porque não nos basta sermos só nós?

7 comentários:

Dalaila disse...

Di(vi)nal

porque na maior parte das vezes as pessoas não se conhecem..... e então têm que ser mais alguma coisa....

Divinal

margarida disse...

Muita arte nesta composição fotográfica. Muita ciência nestas tuas questões.
Na ausência de respostas permaneço a imaginar-lhe o som, os sons.

angela disse...

em permanente reinvenção :)

ana disse...

só nós sós

morreríamos de excesso

lupussignatus disse...

sem nós só nós somos nada

partícula de pó deserto

~pi disse...

não se aguenta o espelho...

Chloé disse...

Porque é comunicando com o exterior que nos conhecemos, que conhecemos as nossas fronteiras, que nos reconhecemos como individuais e que nos identificamos. E há alguma coisa melhor do que depois de nos conhecermos a nós, por esses caminhos do outro e do resto, de pensarmos no outro?