22.4.08

Sobre a justiça no espaço


Sam Basset


Lembrei-me de Dostoievski e de uma das suas frases que [sem rigor] passo para aqui: não tendes ternura, só justiça, por isso, sois tão injustos.

Recordei-a como contraponto ao perfeccionismo, à tendência para julgarmos os actos dos outros, ao legalismo a que tantas vezes recorremos nas nossas relações.


Na verdade, acredito que não sabemos o que é sermos justos na totalidade. É algo alto demais!

Vamos sabendo, por vezes, quando vamos mais longe do que as necessárias mas quadradas normas. Vamos aprendendo o que significa, quando conseguimos evitar a exigência sem coração.

5 comentários:

Dalaila disse...

ver para lá do óbvio!

Por entre o luar disse...

:) lindo* beijinho e sorrisito:)

margarete disse...

nem mais! :)

Anónimo disse...

"Na verdade, acredito que não sabemos o que é sermos justos na totalidade. É algo alto demais!"
Sabemo-nos justos com a momentaneadade que nos é possível. Se é mais, menos ou assim-assim penso que não é relevante, foi-nos a justeza possível e ponto final, o que não quer dizer que não possamos, por vezes e, de preferencia a miude, justamente alargar(mos) o sentir, assim fazê-lo crescer e por isso o conseguimor ver do alto.
Gosto Muito da forma como nos fala.
Metamorfose

winner disse...

If im in the situation of the owner of this blog. I dont know how to post this kind of topic. he has a nice idea.