28.1.08

Um espaço sobre o peso de um sorriso.



Carla Salgueiro
Thomas Janowitz

Por entre as rochas um rapaz, nas mãos levando uma balança, avança em direcção ao mar. Vai procurar pesá-lo. Num dos pratos, o mar há-de revolver-se, debater-se, rebentar, há-de trazer à superfície a força das entranhas e atrair o céu, há-de-o fazer precipitar-se até com ele se confundir, e as próprias rochas através das quais o rapaz segue hão-de pesar no prato ferozmente. Imperturbável, o rapaz colocará no outro prato o seu sorriso.

Luís Miguel Nava

:)

6 comentários:

musalia disse...

e o céu abrirá a noite e o céu se aquietará. perante o sorriso do menino...
:)

un dress disse...

a crepitar estrelas

un dress disse...

:) ***

Momentos disse...

As coisas mais incriveis conseguem-se com um sorriso puro, quem resiste a um sorriso assim de qualquer criança? De qualquer menino cheio de fé?

corpo visível disse...

.
fica-te bem, o nava.
.

nana disse...

agora,

agora,

choraria...


de mar nos olhos

e sorriso na boca.









*obrigada por (mais) "isto"..



x