22.2.08

A folha maior : espaço ninho



Nadav Kander



E o homem, então,
olhou em seu redor
e disse
às árvores: eu sou
a folha maior.

E as aves
do crepúsculo fizeram
ninho na sua boca.



Tenho este poema num caderno que reencontrei ontem. Infelizmente não tenho indicação do autor apesar de ter quase a certeza de que é de Albano Martins.
O meu limitado pensamento lógico não lhe retira grande sentido mas, mesmo assim, gosto dele e por isso o coloco aqui. Apela-me os sentidos...



Entretanto, decidi que vou voltar ao preto como fundo do blog e, possivelmente, voltar até à imagem anterior.

Costumo falar-lhe da inconstância da cor dos seus olhos mas,
é por dentro que mudamos todos os dias.

5 comentários:

~pi disse...

por dentro que

mudamos

todos os dias

repetiu o eco...

rosasiventos disse...

olhar-te a história

escavar-te o traço

desfazer-te o laço

firmina12 disse...

voltarei e voltarei sempre que estiver triste

Dalaila disse...

mudar
e voltar....

Andreia Ferreira disse...

Às vezes não importa se percebemos. Importa muito mais se sentimos ;)

Beijo