13.4.08

A madrugada é um espaço em que a noite termina



Bernd Meiseberg

A fresta da madrugada
respira pela tua boca
ao fundo das tuas desertas.
Luz gris os teus olhos,
doces gotas da madrugada
nas colinas escuras.
O teu passo e o teu hálito
como o vento da madrugada
submergem as casas.
A cidade arrepia-se,
exalam cheiro as pedras –
és a vida, o despertar.

Estrela perdida
na luz da madrugada,
brisa que zune,
calidez, hálito -
a noite chegou ao fim.

És a luz e a manhã.


Cesare Pavese


4 comentários:

Matilde disse...

e tudo se transforma num momento. da noite à madrugada. quase sem darmos conta.
como, por vezes, a felicidade e a dor. e a dor e a felicidade.
num constante vai vem de sentires - os cá de dentro.
[excelente escolha de imagens por aqui no rasto dos cometas... ;)]

lupussignatus disse...

a estrela

da manhã

habita

o corpo

da casa

L. disse...

ola cometa

Deixo aqui o link para o meu novo blog de poesia, “uma só vida?...”
Vou postar por lá a minha poesia toda, entre 1995 e 2008

Acrescentei lá o teu link, estou a tentar juntar o máximo de blogs de poesia em português

number disse...

I agree with you about these. Well someday Ill create a blog to compete you! lolz.