3.7.07

um espaço para as diferenças


Lupe

Às vezes tenho a sensação de que nos querem todos iguais.
E sob um olhar rápido, assim parece, hirtos, arranjadinhos, acertadamente enfileirados.
Semelhantes na forma de nos comportarmos, no que devemos sentir e pensar, no estilo de vida e nos objectivos que devemos ter.
Ao ver com mais atenção e calma, descobrimos que não é assim, que temos pontos comuns mas que são muitas as diferenças.
Aí, tu e eu, poderemos até chocar mas, se quisermos, também crescer muito mais.
Essa é a grande riqueza!

6 comentários:

Joshua disse...

It's so nice for me to have found this blog of yours, it's so interesting. I sure hope and wish that you take courage enough to pay me a visit in my PALAVROSSAVRVS REX!, and plus get some surprise. My blog is also so cool! Don't think for a minute that my invitation is spam and I'm a spammer. I'm only searching for a public that may like or love what I write.

Feel free off course to comment as you wish and remember: don't take it wrong, don't think that this visitation I make is a matter of more audiences for my own blogg. No. It's a matter of making universal, realy universal, all this question of bloggs, all the essential causes that bring us all together by visiting and loving one another.

I think it's to UNITE MANKIND that we became bloggers! Don't see language as an obstacle but as a challenge and think for a minute if I and the rest of the world are not expecting something like a broad cumplicity. Remenber that pictures talk also. Open your heart and come along!!!!!

inês leal, 31 anos à volta do sol disse...

pois eu, às vezes, não tenho a sensação, tenho mesmo é a certeza...
as diferenças entre cada um de nós são o que torna o Mundo um lugar cheio de cores e sabores, porque maravilhosamente livre no seu modo de ser.
mas, ao mesmo tempo, nunca acreditei muito naquela coisa dos "opostos que se atraem" (seja a que nível for), porque há diferenças estruturantes nas pessoas e porque, às vezes, estamos anos-luz de alguém que está mesmo aqui, sentado ao pé de nós. e esse "núcleo duro" que nos torna quem somos ou que vamos descobrindo que somos, faz-me chocar em definitivo com alguns modos de ser. quando procuras flores e sorrisos no caminho e te oferecem a paisagem do betão armado, eu escolho seguir outra direcção...*

Vanessa disse...

Concordo. Concordo mesmo! :)

Beijinhos*

Abbie disse...

O que eu gosto dessas diferenças. São elas que me enriquecem. Que me fazem querer distinguir entre as que entram no meu coração e as que ficam um bocadinho lá fora.

F. disse...

Achas mesmo que há espaço para elas...? Aproveitando o post que faz referência ao Chaplin, é inevitável que me lembre dele a apertar porcas e parafusos de forma descontrolada nos "Tempos Modernos"....Somos cada vez mais autómatos e menos espontâneos. A velocidade da uniformização é imperdoável!

Teresa Duraes disse...

infelizmente tenho a certeza que é mais do que às vezes....

existe espaço para todos. em pequenos nadas das diferenças aprendemos tanto!